Anterior                                                              Índice                                       Próximo

Alguns Fatores Importantes na Formação das Crianças e dos Jovens

  1.    A TV e mesmo os seus " melhores " programas ou mesmo os filmes em vídeo são limitativos ao desenvolvimento da inteligência , da crítica e da criatividade, pelas suas limitações à fantasia, ao raciocínio, à reflexão e à fixação da atenção. Muito mais positivo na formação do indivíduo e mesmo como lazer são o cinema e em especial o teatro e, é claro, as atividades ao ar livre ou pelo uso inventivo de meios existentes dentro de casa. Extraordinariamente mais educativo é a consulta a um atlas ou a uma enciclopédia impressos do que ao melhor dos programas semelhantes em vídeo ou no computador. Ainda mais limitantes à evolução da inteligência são os video-games. Todos esses meios só devem ser usados dentro de limites rígidos, apenas o suficiente para que a criança ou o jovem aprendam o seu uso e percam o medo do computador. Sabemos hoje que o tempo de exposição à televisão aumenta drasticamente o nível de violência das crianças e dos jovens; a banalização da violência nos programas de televisão, nos filmes infantis, e até nos desenhos animados aparentemente inofensivos são de uma penetrância muito forte no temperamento das crianças e jovens, que ainda estão em fase de formação de seu caráter.
  2.    Ainda sobre a televisão e os computadores, recentemente a Agência Internacional para pesquisa do Câncer, órgão da Organização Mundial de Saúde (OMS), em seu reconhecido Boletim, divulgou um texto alertando para os riscos da exposição das crianças a campos eletromagnéticos domiciliares, ou seja, equipamentos eletro-eletrônicos existentes dentro de casa. Segundo a OMS, o risco para leucemia é duas vezes maior nas crianças que se expõem a estes campos, e não é recomendada a exposição por tempo prolongado ou a uma pequena distância a qualquer equipamento que produza estes campos - e isto inclui os telefones celulares.
  3.    É fator importante na formação física e mental da criança e do jovem a prática desportiva bem orientada e diversificada e, até à adolescência, sem direcionamento competitivo. Deve-se atentar para o fato de que o excesso, assim como a falta, são igualmente prejudiciais no esporte. Ele é ainda mais importante para as crianças que não contam mais com o espaço da rua para suas atividades livres, o que não é preenchido a contento pelas quadras e espaços limitados e vigiados dos edifícios de apartamentos.
  4.    Deve-se educar desde muito cedo a criança para as atividades artísticas e em especial para a música. A casa e os ambientes a serem freqüentados pela criança devem ser enriquecidos pela música chamada clássica, pela música instrumental brasileira tradicional, pelas músicas letradas cujo conteúdo seja mais próprio à idade da criança e aos valores culturais da família, devendo-se evitar em especial ouvi-las muito alto ou ouvir " músicas " desprovidas de valor melódico, ou com mensagens fora do contexto cultural do grupo familiar ou , como muitas, que são apenas barulho. Não se deve freqüentar ambientes ou festas ou salões em que a música ( som ) esteja muito alto, além do que seria compatível com uma conversação a voz normal, pois, quando essa conversação não é mais possível devido à altura do "som" é porque este está além de 80 decibéis, o que é altamente prejudicial à audição e ao estado mental dos ouvintes. A música e as artes plásticas são porta de entrada da criança ao desenvolvimento harmonioso, e em especial à sua formação sensual e psicológica em geral. A música, por transcender as três dimensões clássicas, as artes plásticas dimensionando o existir.
  5.    No entanto, uma super-solicitação das impressões visuais, da alfabetização ou do aprendizado intelectual desviará as forças formativas vitais do seu trabalho nos órgãos em desenvolvimento (a criança está modelando os seus órgãos, necessita de muita energia para isto) para as áreas da consciência, causando a fragilidade destes órgãos e favorecendo o desenvolvimento, em épocas futuras, de doenças escleróticas precoces. Por esta razão, até mais ou menos os sete anos, a criança não deve ser alfabetizada na escola.