Anterior                                                              Índice                                                  Próximo

Conceitos

"HOMEOPATIA: é a Ciência e a Arte Médica que tem por finalidade dar ao Homem condições físicas e mentais para livremente vir a alcançar os seus mais altos desígnios, através de Leis e Princípios determinados e segundo uma Técnica própria".                                                                                               (os  sinais § se referem ao Organon 6ª Ed., e D.C. a Doenças Crônicas, ambos de Hahnemann).

Princípios Fundamentais:

  1. LEI DOS SEMELHANTES: duas doenças semelhantes não coexistem em um determinado indivíduo    § 44, § 45, § 69 
               Corolários: a - doses mínimas § 275-277.

                                  b - experimentação no homem são § 105 § 145.                                                                           c - medicamento único § 273-274.

2.          VITALISMO: energia que anima o organismo sendo responsável pelas suas sensações, funções e autoconservação, § 10

               Corolários:  a- totalidade individual - § 15.                                                                                                    b- dinamização - § 16. 

3.      MIASMAS: princípio energético específico que sob determinadas condições do meio e principalmente do indivíduo, infecta-o provocando um desequilibrio vital (indivíduo miasmático). Sendo que, quando este estado alterado é permanente e progressivo (doenças crônicas), somente é normalizado através de influências dinâmicas específicas, medicamento homeopático específico.

              Corolários:a- Psora Doença secundária do miasma Sarna (medicamentos anti-psóricos).                                   b- Sífilis: Doença secundária do miasma da Sífilis (medicamento anti-sifilítico: Mercurius solubilis)                               c- Sycosis: Doença secundária do miasma da Gonorréia. (medicamentos anti-sicóticos: Thuya occidentalis, Nitricum acidum).

Quanto à parte Técnica:

             a) MEDICAMENTO: É o meio no qual se encontra o princípio curativo.                                                                a1) Princípio curativo: Propriedade medicinal, por exemplo, de uma determinada substância, que com sua influência dinâmica é capaz de "causar alterações no estado da vida " (§ 3 e § 11 N.T. Organon-Hahnemann).    a2) T.M.: § (267, 298, 269).

       bREMÉDIO: Medicamento indicado. ( § 22 e § 23).

      c) MEDICAMENTO HOMEOPÁTICO: ( § 27 ). Preparado segundo uma técnica própria, com experimentação no homem são e indicado pela lei dos semelhantes.

     d) DINAMIZAÇÃO: Processo de desenvolvimento das propriedades medicinais (princípio curativo) latentes de uma determinada substância medicamentosa. (§ 269).                                                                               d1) Diluição: processo de desconcentração de uma determinada substância (soluto) pela adição de uma outra substância (solvente). (Pág. 29 Doenças Crônicas ).                                                                                            d2) Sucussão: Processo de agitação do medicamento após cada diluição, 30cm, anteparo duro (elástico), n.º de sucussão etc. (D.C. Prefácio ao Quinto volume: Diluições e Potências, §270 - Organon 6ª ed.).                    d3) Triturações: § 270                                                                                                                                                 d4) Escalas: São diferentes concentrações (diluições) a que são levados os medicamentos durante a sua preparação, Hahnemann criou as escalas Centesimal e 50 Milesimal, sendo que a escala Decimal foi desenvolvida por Hering. 
    A Escala Centesimal: Descrita por Hahnemann Na 5ª edição do "Organon da Arte de Curar", e nos seus tratados de "Doenças Crônicas", sendo que a diluição usada é de 1:100, substância medicamentosa para veículo.                                                                                                                                                                             A Escala 50 Milesimal: foi elaborada por Hahnemann na 6ª edição de seu "Organon da Arte de Curar", onde só veio a público em 1921, sesenta e oito anos após a sua morte.                                                                    No Brasil essa escala foi introduzida pela Farmácia Homeopática "Bento Mure" na pessoa do Dr. George Galvão, que a trouxe do México no ano de 1978 e distribuiu medicamentos em várias potências, para todas as farmácias paulistas e cariocas existentes na época.                                                                                              Na preparação dos medicamentos segundo esta escla, usá-se a diluição de 1/50 000, substância medicamentosa para veículos.                                                                                                                                        d5) Potencia: é o produto da dinamização. (§  269 - Organon) 

     e) VEÍCULOS: Substância inerte (pág. 182 Doenças Crônicas).                                                                                    Os Veículos e utensílios usados nas farmácias homeopáticas devem ser isentos de qualquer impureza e serem feitos de material que não interfiram no preparo dos medicamentos.                                                              ÁGUA: - Destilada e bidestilada em destiladores de vidro, a água usada para a destilação deve ser água mineral leve, que provenha de fontes existentes nas imediações da região em que se localiza a farmácia, não podendo ser usada água de fontes termais, devido a alta quantidade de enxofre e metais pesados existentes nessa água. Fala-se muito nas água desionizadas para uso em farmácia, este procedimento é errôneo por deixar a água eletricamente carregada, interferindo assim no prepara dos medicamentos.             A água é usada também na limpeza de utensílios, bem como no preparo dos medicamentos, é usada para a diluição do álcool.                                                                                                                                                    Nas farmácias Homeopáticas não é aconselhável o uso de destiladores elétricos de metal, pois, os mesmos transferem para a água que deve ser pura óxidos e ainda grande quantidade de material de que são feitos, influenciando assim nos medicamentos preparados.                                                                                      

ÁLCOOL: O álcool (etanol) é utilizado no preparo das tinturas mães, soluções e diluições, limpeza de material.                                                                                                                                                                         Pode-se usar o álcool proveniente de cana e de cereais, Hahnemann empregava o álcool de vinho.                Ao receber o álcool em bombonas plásticas ou tambores, deve-se transferi-lo para recipientes de vidro, para evitar a cedência desses materiais, devendo ainda submetê-lo a uma nova destilação em destiladores de vidro, para maior certificação de sua pureza.                                                                                          LACTOSE: (Açúcar de leite), podendo ser obtida pela evaporação do soro do leite de vários animais mamíferos como: vaca, jumenta, cabra etc., é insolúvel no álcool, mas bem solúvel na água, sendo usada nas preparações das triturações.                                                                                                                                      SACAROSE: - Açúcar de cana, servindo na preparação dos glóbulos, também insolúvel no álcool e solúvel na água,                                                                                                                                                                   GLÓBULOS: - Preparados esféricos feitos de açúcar, usados para serem impregnados com o medicamento feito em álcool.                                                                                                                                                                 Todos esses veículos ao serem adquiridos devem vir acompanhados de um laudo técnico, emitido pelos órgão competentes e enviados pelos respectivos fornecedores, para que não haja dúvida quanto a sua pureza.