Anterior                                                         Índice                                                  Próximo

HISTÓRIA DA HOMEOPATIA

           A História da Homeopatia se confunde na sua fase inicial, isto é, nos seus primeiros noventa anos de vida, com a História de Hahnemann, criador dessa Doutrina, pois esse viveu oitenta e oito anos, e coube a ele a criação e a divulgação tanto da parte teórica Doutrinária como da prática (técnica).

    Christian Frederic Samuel Hahnemann nasceu aos 10 de abril de 1755, na cidade de Meissen, Alemanha, (alta Saxônia). Iniciou seus estudos com os pais e posteriormente na escola pública de Meissen. Aos 20 anos de idade iniciou seus estudos de medicina em Leipzig, onde para poder sobreviver ensinava alemão e francês a um jovem grego, sendo que, além dessas duas línguas, Hahnemann dominava perfeitamente mais nove idiomas, (grego, latim, sírio, árabe, hebreu, inglês, espanhol, italiano, caldeu).

     Forma-se em medicina aos 24 anos de idade e vai clinicar em um pequeno vilarejo, além de visitar várias cidades da Alemanha. Neste período torna-se um médico conceituado e bem sucedido. Em Dessau vai trabalhar como inspetor de Farmácias e Laboratórios, onde aprimora seus conhecimentos de química sob a orientação de um grande farmacêutico de renome nessa época, Godfried Henry Kuchler, e produz uma farmacopéia usada por muito tempo como literatura de referência em toda Alemanha. 

       É ainda em Dessau que casa-se pela primeira vez, aos vinte e oito anos de idade, com Johana Henry Kuchler; publica sua primeira obra médica, sobre o tratamento das doenças escrofulosas, onde critica a terapêutica de seu tempo e dedica grande espaço a higiene geral. É também neste período que abandona a medicina por discordar dos princípios e métodos utilizados na medicina oficial. Nos anos que se passam, até 1789, Hahnemann vive de publicações e traduções, entre as quais está a "História das vidas de Abelardo e Heloisa". Em 1789 muda-se para Leipzig, onde também passa a maior parte do tempo escrevendo e traduzindo, sendo que, nesse ano que traduz a Matéria Médica do inglês Cullen, e é numa nota pessoal, como era de seu costume nas traduções, que nasce a Homeopatia. Hahnemann ao estudar o medicamento Cinchona (China) questiona Cullen ao afirmar que a China não curava a malária por provocar um amargor no estômago, mas sim ao ser administrada ao doente, provoca os sintomas semelhantes ao da doença.

                                                                                     Esta data ficou consagrada como o ano da "descoberta", o marco inicial da Homeopatia como ele mesmo afirma em uma nota de rodapé da sua matéria médica, onde descreve os sintomas de China .

     No ano de 1792 em Georgenthal, faz o tratamento psiquiátrico de Klochembrig, esse é o seu primeiro caso clínico tratado com Homeopatia, permanece em Georgenthal até 1793, quando concede alta ao paciente.

    Em 1796 na cidade de Konigslutter, publica sua primeira obra sobre homeopatia, "Ensaio sobre o Novo Princípio para Descobrir a Força Curativa das Drogas", onde cita muitos exemplos de intoxicações produzidas pelo tratamento médico clássico, critica as sangrias, muito usadas nessa época, e faz também uma crítica das misturas de várias drogas em tratamento. Ainda nessa cidade enfrenta com sucesso a uma epidemia de escarlatina, fazendo uso de medicamento homeopático.

   Começa então um período de grande produtividade , faz várias publicações como:

  • "Esculápio na Balança"
  • "Medicina da Experiência"
  • "Fragmentos de Viribus Medicamentorum Positivis Sive in Sano Corpare Humano Observatis", (Fragmentos sobre os efeitos dos medicamentos positivos quando observados no Homem São)
  • "Organon da Medicina Racional", 1810, que na sua 2ª Edição passa a se chamar "Organon da Arte de Curar", livro no qual Hahnemann demostra sua Doutrina, o Organon (Organon) irá ainda até a 6ª Edição, sendo que cinco Hahnemann publica em vida.
  • "Matéria Médica Pura", onde estão as experimentações dos medicamentos feita por ele.
  • "Doenças Crônicas", livro onde é exposto a natureza e cura das doenças crônicas.

   Vive um período feliz e, todos a sua volta o respeitam, ensina Homeopatia em sua casa (Leipzig), onde forma seus discípulos; Hahnemann faz experimentos medicamentosos com ele próprio e também com seus discípulos, sempre anotando atentamente os sintomas encontrados. Sua casa fica conhecida como a "Bandeira de Ouro". Porém, logo começam as perseguições, como as dos farmacêuticos, pois, Hahnemann não encontrava algum disposto ou competente para preparar seus medicamentos, e acabava ele mesmo os fazendo. Estas perseguições obrigavam Hahnemann a se mudar de cidade em cidade, o que se de um lado era penoso para o mestre, trouxe grandes resultados para a homeopatia com relação a sua divulgação.

    Em 1830 aos 75 anos, perde sua esposa, Johana, mas em 1835, na cidade de Köthen, conhece Melaine D'Henvilly Gahier, com a qual se casa, ele com 80 anos e ela com 38 anos.

   Ainda em 1835 muda-se para Paris, centro cultural da época, onde continua a clinicar e a escrever, dá início da Sexta edição do Organon.

   Em abril de 1843, Hahnemann foi atacado por uma bronquite, a princípio ele mesmo se medicou, posteriormente, porém, foi chamado para assisti-lo o Dr. Chatan e o Dr. Jahr, velhos amigos e discípulos seu, mas apesar de todos os esforços e um tratamento homeopático correto, o organismo de Hahnemann não mais reagia; às cinco horas da manhã do dia dois de julho de 1843, extinguiu-se a vida de Hahnemann, o maior gênio reformador da Medicina, criador da Doutrina Homeopática, morreu ao lado da esposa, da filha Amélia e do neto Leopold.

   Seu corpo foi embalsamado e enterrado numa cerimônia simples, assim como foi a sua vida, no cemitério de Montmarte.

   Em 1898, os restos mortais de Hahnemann foram transferidos para o cemitério de Pére Lachaise, em Paris, onde foram encerrados em um belo Mausoléu.

   Com a morte de Hahnemann, termina a primeira parte da História da Homeopatia, a qual seguirá posteriormente aos cuidados de seus discípulos, como por exemplo: Jahr, Stapf, Bento Mure, Hering, Böninghausen e outros.

BRASIL: Antes mesmo da Homeopatia ser introduzida no Brasil, seu nome já havia sido mencionado nas cortes brasileiras, pois, Hahnemann havia trocado correspondência com José Bonifácio, sobre mineralogia,  já que ambos tinham grande interesse pelo assunto. Foi do Brasil que Hahnemann mandou buscar a planta Ipecacuanha para prepará-la segundo suas técnicas.

    Dr. Benoit Jules Mure, Bento Mure, como era conhecido aqui no Brasil, vindo de França, onde nasceu, a convite de D. Pedro II, desembarcou no Rio de Janeiro, aos 21 de novembro de 1840, (data comemorativa do aniversário da Homeopatia no Brasil), instala-se em Santa Catarina, onde com o apoio do Império monta uma colônia baseada nos ideais de Charles Fourier, funda um falanstério, o qual no entanto não vinga, volta então para o Rio de Janeiro onde começa a propagar a Homeopatia. Bento Mure converte muitos médicos famosos à Homeopatia.

    Juntamente com seu amigo e discípulo, João Vicente Martins, cria a 1ª farmácia homeopática do Brasil, funda uma escola de Homeopatia, atualmente existe com o nome de Instituto Hahnemanniano do Brasil .

    Seu discípulo, João Vicente Martins, traduz para o português a Quinta edição do Organon.

    No Brasil, a Homeopatia foi abraçada por grandes figuras de nossa cultura, pessoas que não tinham formação médica mas um grande conhecimento de medicina Homeopática, por isso são denominadas "Homeopatistas", como era Monteiro Lobato que chegou a clinicar em seu sítio em Tremembé, e Rui Barbosa que tem uma frase que diz: "Se tivesse um diploma de médico, certamente seria Homeopata".

    No final do século passado, a Homeopatia foi abraçada pelo movimento positivista através de seus adeptos do Instituto Militar de Engenharia. Disso resultou um grande apoio oficial do governo.

    Sobre a oficialidade do ensino da Homeopatia, o Brasil foi uns dos primeiros países a tê-lo em suas faculdades, em 1959 seu ensino passa a ser obrigatório nas faculdades de farmácia. A primeira edição da Farmacopéia Homeopática Brasileira foi aprovada em 1976, e a Segunda em 1998, sendo que existem várias publicações de Farmacotécnicas Homeopáticas de diversos autores farmacêuticos de cunho não oficial, mas consagradas pelo uso, sendo que a primeira farmacotécnica data de 1917, e foi escrita pelo Dr. Meira Penna, médico Homeopata.

    No começo do século, o Brasil teve em seu Ministério da Fazenda um médico Homeopata, Dr. Joaquim Murtinho.

     Entre grandes nomes da História mais recente da Homeopatia no Brasil, podemos citar: Dr. Sabino Olegário Ludgero, Dr. Saturnino de Soares de Meirelles, Dr. Licínio Cardoso, Dr. Francisco de Menezes Dias da Cruz, Dr. Galhardo, Dr. Resende, Dr. David Castro, este último merecendo algumas palavras: David Castro faleceu recentemente, em 1980, criador e idealizador do Grupo de Estudos Homeopáticos de São Paulo,"Benoit Mure"; muito trabalhou pela Homeopatia no Brasil, passou pelo Rio Grande do Sul, criando a Liga Homeopática do Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco, formou muitos Homeopatas.

    A Homeopatia foi oficializada no Brasil pelo Decreto N.º 1 000 de 1980. Hoje em dia, a Homeopatia como era vista por Hahnemann, ainda é ensinada e praticada por pequenos grupos e escolas, que a muito custo não deixaram morrer o ideal Hanemanniano.

    São realizados anualmente, não só no Brasil mas no mundo todo, Congressos Homeopáticos, onde encontram-se médicos, farmacêuticos, veterinários, dentistas e estudantes de Homeopatia, para trocarem conhecimentos.

       1842, final da 1ª farmácia Homeopática do Brasil (dispensário), Bento Mure. R. da Quitanda, RJ.

       1856, tradução da Farmacopéia de Jahr (francês), 1ª Farmacopéia no Brasil.

       1850 a 1976, usam-se várias Farmacopéias estrangeiras algumas já oficializadas em seus países (mais usadas a da frança).

      1886, regulamenta-se a farmácia Homeopática no Brasil (ler decreto).

      1917, 1ª farmacopéia Homeopática do brasil, Meira Pena, não oficializada.

      1922, 1º congresso de farm. Homeopática.

      1926, 1º congresso de Homeopatia.

      1952, ensino de farmacoténica Homeopática na faculdades.

      1965, regulamentação do medicamento Homeopático.

      1959, dia da Homeopatia no Brasil, Rezende e David, Liga Homeopática do R.G. do Sul.

      1976, Aprovação da Farmacopéia Homeopática brasileira, (Alemanha 1934, EUA 1934, Chile 1941).

      1978, Introdução da escala Cinquenta Milesimal pelo Médico George Washington Galvão Nogueira.

     1981, Inauguração do Hospital Homeopática "David Castro" pelo Médico George Washinton Galvão Nogueira, em nome do GEHSP "Benoit Mure".

     1984, 1° tradução para o português do livro "Doenças Crônicas" de Hahnemann, pelo GEHSP "Benoit Mure".

"A Vida é curta, a Arte é longa, a ocasião fugidia, a experiência enganadora, o julgamento difícil".                                                                                   Hipócrates. Sec. V A. C. Afor. 1