AUTOBIOGRAFIA DE SAMUEL HAHNEMANN

           " Nasci no dia 10 de abril de 1755, no Distrito Eleitoral da Saxônia, uma das regiões mais belas da Alemanha. Isto pode ter contribuído em grande medida para minha veneração pelas belezas da Natureza, conforme ia crescendo para a Humanidade.

' Meu pai, Christian Gottfried Hahnemann, junto com minha mãe Johanna Christiana, nascida Spiess, ensinaram-me como ler e escrever enquanto brincava. Más meu pai faleceu há 4 anos. Sem ser profundamente versado em ciência. Ele era pintor para a fábrica de porcelana daquela
cidade, e autor de um pequeno ensaio sobre aquarela ele descobriu sozinho as mais profundas concepções daquilo que é bom e pode ser considerado digno de um Homem. Estas idéias ele implantou em mim. " Agir e viver sem pretensões nem ostentações" era o seu conceito mais notável, o que me impressionava mais pelo seu exemplo do que por suas palavras. Ele estava
frequentemente presente conquanto sem ser notado, onde alguma coisa boa estivesse para se realizar! Não deveria eu segui-lo.

' Em seus atos ele diferenciava entre o nobre e o ignóbil a um tal grau de sutileza de correção e delicadeza prática de sentimentos, como era altamente honroso para ele; neste sentido ele
foi meu mestre. Suas idéias a respeito dos princípios iniciais da criação, da dignidade do Homem, e seu elevado destino, pareciam consistentes em todas as formas com o seu modo de vida. Isto foi o fulcro da minha educação moral.

' No tocante ao mundo exterior, eu passei diversos anos na Town school de Meissen, quando por volta dos dezesseis anos de idade eu freqüentei a Prince's school daquela cidade. Não há algo de especial a ser mencionado sobre mim naquela escola, exceto que o reitor da prince's school, Magister Muller, me amava como se eu fosse seu próprio filho. Ele foi meu professor de línguas antigas e de composição germânica; ele ainda vive, e o mundo e eu temos para com ele uma grande dívida de gratidão, pois em honestidade e diligência poucos poderiam se igualar a ele. Ele me concedeu liberdades em meus estudos, pelo que lhe sou grato até hoje, e que exerceram
uma influência perceptível em meus subseqüentes estudos. Em meus l2 ano de idade, ele me autorizou a transmitir aos outros os rudimentos da língua grega. Ele também escutava com delicadeza, durante as aulas particulares que eu mesmo dava aos seus pensionistas, minhas exposições críticas dos antigos escritores, e ele frequentemente preferia a minha opinião à sua própria. Apenas eu, estava amiúde, me queixando de estudar em demasia, apenas eu obtive consentimento de ausentar-me das aulas que considerasse inadequadas, de abster-me de enviar os exercícios e cópias escritas dos outros cadernos, e de não ler livros estrangeiros durante as aulas. Tinha livre acesso a ele a qualquer hora do dia; em muitos aspectos, eu frequentemente tinha a preferência, em detrimento de muitos outros alunos, e não obstante, é estranho dizer que todos os meus companheiros me estimavam. Tudo isto junto significa muita coisa, considerando
que se tratava de uma Prince's School, da Saxônia. Aqui, determinei como meu dever aprender aquilo que estava lendo ao invés de ler em excesso, ler pouco, mas corretamente, e classificar em minha mente o trecho já lido antes de continuar com a leitura.

' Meu pai não queria absolutamente que eu estudasse; ele repetidamente me tirava da escola da cidade, durante períodos de mais de ano por vez, de modo que eu pudesse buscar alguma ocupação mais adequada aos seus rendimentos. Meus professores impediram isso recusando todo o pagamento pela minha escolarização ao longo dos últimos oito anos; rogaram a ele que me deixasse aos cuidados deles para que eu pudesse prosseguir em minha inclinação pelo estudo. Meu pai não resistiu aos seus rogos. Mas não poderia fazer mais coisa alguma por mim.

' Na Páscoa, no ano de 1775, tive a oportunidade de ir para Leipzg com a quantia de 20 Táleres para meu sustento, o último dinheiro que recebi de suas mãos. Ele tinha vários outros filhos para educar a partir de seus parcos recursos. Isto é desculpa suficiente para justificar o melhor dos pais.

' Ensinando alemão e francês para um jovem grego de posses, oriundo de Jassy na Maldávia, bem como por meio de traduções do inglês, procurei eu mesmo, durante um tempo, os meios de
subsistência, pois eu pretendia sair de Leipzg após uma permanência de dois anos.

' Posso testemunhar por mim mesmo que também em Leipzg pratiquei a máxima de meu pai, nunca ser um ouvinte ou um aprendiz passivo. Mas aqui eu não esqueci de modo algum de garantir, através de exercícios físicos e de ar puro, aquela energia e o vigor corporais os quais,
sozinhos, capacitam o corpo a suportar exitosamente o esforço de um esforço mental contínuo.

' Em Leipzg, eu comparecia apenas ás aulas que eu considerava proveitosas, apesar do fato de que Bergrath Porner, de Meissen, teve a gentileza de usualmente me fornecer passes livres para as aulas de todos os professores de medicina. Eu estudava privativamente o tempo todo, sempre lendo o que era melhor adquirível e apenas na medida em que eu podia assimilar.

' A inclinação para o lado prático da medicina, para o qual não existia instituição alguma em Leipzg, induziu-me a ir para Viena às minhas próprias custas.

' Uma maliciosa armadilha gracejada comigo, e que me espoliou de minhas economias adquiridas em Lleipzg (arrependimento exige reconciliação e farei silêncio sobre nomes e circunstâncias) teve por conseqüência o fato de que eu fui compelido a abandonar Viena. Após uma estadia de nove meses. Durante esta época eu possuía apenas 68 Florins e 12 Kreuzer para minha subsistência. Sou grato por meu instinto médico, ao hospital dos Irmãos da Caridade de Leopoldstadt, ou melhor, ao grande gênio prático Dr. Von Quarim, médico a serviço da família do
príncipe. Eu contava com sua amizade, poderia quase que dizer, com seu amor, eu era o único, naquela ocasião, que ele permitia acompanhá-lo nas consultas aos seus pacientes particulares. Ele me elegeu, estimou e me ensinou como se eu estivesse sido um dos seus primeiros pupilos em Viena, ou mais do que isso, e tudo sem jamais ser capaz de esperar de minha parte qualquer remuneração. Minhas últimas migalhas de subsistência estavam prestes a desaparecer quando o
Governador da Transilvânia, Barão Von Bruckenthal, convidou-me em termos honrosos a ir para Hermanstadt com ele, como seu médico de família e guardião de sua importante biblioteca.

' Aqui eu tive a oportunidade de aprender varias outras línguas necessárias, e de adquirir conhecimento de algumas ciências colaterais, nas quais eu ainda estava falho. Organizei e cataloguei sua incomparável coleção de moedas antigas, bem como sua biblioteca, pratiquei medicina por um ano e nove meses em sua populosa cidade, e depois me separei, embora muita a contra gosto, daquelas honradas pessoas, para receber em Erlangen meu grau de Doutor em Medicina, algo que estava agora apto a fazer, a partir das minhas próprias consecuções. Sou grato pelos muitos favores e pela grande instrução dada pelo Conselheiro Particular Delius e pelos conselheiros Isenflamm, Schreber e wendt. Hofrath Schreber ensinou-me o que ainda me faltava conhecer sobre botânica. Em 10 de agosto de 1779, defendi minha dissertação e em conseqüência disto recebi meu grau de Doutor em medicina.

' O anelo instintivo de um suíço por seus Alpes escarpados não pode ser mais irresistível do que o de um saxão por sua terra natal. E retornei para lá a fim de começar minha carreira como médico praticante na pequena cidade mineira de Hettsdat, em Mansfield. Ali era impossível se desenvolver mental ou fisicamente, e eu que parti para Dessau na primavera de 1781, após uma estadia de nove meses.

' Nessa localidade eu encontrei uma sociedade mais adequada para mim e mais facilidade para obter conhecimentos. O estudo da química  ocupava minhas horas de lazer, e isto junto com pequenas viagens para aprender a ciência da mineração e a metalurgia, preencheram algumas lacunas consideráveis deixadas em minha educação.

' Próximo ao final do ano de 1781, recebi uma indicação insignificante como Oficial Médico de Saúde, para Gommern, próximo a magdeburgo. O salário razoavelmente substancial oferecido levou-me a procurar uma melhor fonte de renda, bem como uma ocupação mais condizente neste posto, do que encontrei durante os dói anos e nove meses que havia permanecido ali. Nenhum médico tinha ainda fixado residência naquele pequeno lugar e as pessoas não tinham utilidade para um. Todavia ali eu comecei a gozar pela primeira vez das inocentes alegrias da vida doméstica, juntamente com as amenidades dos negócios, na companhia de minha companheira de vida, Henriette Kuchlerin, enteada do boticário Haseler de Dessau.

' Dresden foi o meu próximo local de estadia, onde, porém não desempenhei papel de destaque, presumivelmente porque não desejava fazê-lo. Não obstante, aqui também não me faltaram amigos nem oportunidades de aprender. O último Oficial Médico da Saúde, dr. Wagner, ele mesmo modelo de retidão inabalável, honrou-me com sua íntima amizade, mostrou-me os deveres de um médico na medicina forense ( pois em seu próprio ramo de ciência ele era um mestre ), e com o consentimento do conselho da cidade ele passou ás minhas mãos, devido à sua doença, durante um ano, a totalidade de seus encargos nos hospitais, um campo vasto para um amigo da filantropia. Além do mais, o Superintendente da biblioteca do Distrito Eleitoral, Hofrath Adelung, passou a me apreciar bastante, e juntamente com o Bibliotecário, senhor Dassdorf, contribuíram em grande escala para que minha estadia fosse interessante e agradável. Deste modo, os quatro anos passaram mais rapidamente para mim, em meio à minha família que aumentava, do que para um herdeiro inesperado de grandes fortunas; e parti para Leipzg por volta da festa de São Miguel, no ano de 1789, a fim de ficar mais próximo da fonte da ciência. Aqui aguardo quietamente o destino que a Providência irá designar para cada um de meus dias, cujo número está em Suas mãos.

' Quatro filhas e um filho junto com minha esposa constituem o tempero da vida.

' Quatro filhas e um filho junto com minha esposa constituem o tempero da vida.

' No ano de 1791, a Sociedade econômica de Leipzg, e no dia 2 de agosto do mesmo ano, a Academia Eleitoral de Mainz, elegeram-me membro associado".


                                                                                                       Leipzg, 30 de agosto de 1791.